Letras do disco

 

1 - DA BAHIA - Sonya Prazeres/ Marcio Policastro

 

Eu tenho um lado negro

Que não me nega a sina

Um jeito sombra de ser menina

Negra por dentro de mim

Preta, pretinha, pixaim

Sou filha de santo - neguinha

Do alto de meus tamancos

Sou de meus brincos e broncas

Sou tudo que o branco não compra 

Abafa, e não banca

Alma de pixe

Zóim de azeviche

A boca bocuda

Sou prata da casa

Nos tiques e traques

Eu vivo nos trinques

Na pele, o enfeite

No corpo, um deleite

No peito todos os badulaques

Eu sou da maré, sou da fé

Sou do azeite de dendê

Raminho de arruda na orelha, vai ver

Uma falta de telha

Moleca festeira

Só quero viver

Bença mãe, bença pai

A benção meu alafin

A benção Senhor do Bonfim

Eu sou bem da Bahia

E a Bahia é bem de mim

 

 

 

2 - CANTIGA DO VENTO – Rafaela Melo

 

Ela dança na beira do rio, ela canta na beira do mar

Pega o barco, navega pra longe, faz ciranda na areia

Ela dança com a saia na mão, guarda tudo em seu olho marrom

Pescador, se encante assim não, que é pra não se afogar

Ela anda no passo do vento, é bonita, dá gosto de olhar

Tem a dor mais chegada do tempo, mas disfarça que é pra não chorar

Fecha os olhos, mas ela não dorme, é criança, não pode acordar

Quando a maré tá cheia, se esconde, pescador volta já

Canta como quem canta no céu, a cantiga do vento a soprar

É menina, é crescida, é mulher, faz de conta que é dona do mar

Pescador traga o barco ligeiro, que a moça não pode esperar

Traga um cheiro do mar só pra ela, que ela vai gostar

Menina que canta cantiga do vento pra mim

Canta e pergunta pro vento onde meu amor se escondeu (cadê meu amor)

 

 

 

3 - FILHA DE ENCANTO - Chico Saraiva/Mauro Aguiar

 

Eu sou mandingueira, manteúda e Deus me ajuda ainda 

Enfrento quebranto, arenga, agouro e me faço linda 

Quando meu grito se alonga 

Toda quizila escorrega 

foge cega com o gume do lume de Yansã

Eu sou macumbeira, sapopemba e vivo na curimba 

Mas tenho decoro, não guardo meu ouro em minha cacimba 

Mel do meu canto decola 

Chega em Mamãe Dandalunda 

Que faz lá minha onda sonora marejar 

Minha voz labareda do samba no breu 

É mandinga que alegra, é milagre, é luar 

Trago no meu gongá 

Um batuque à granel 

Que alaga meu sangue de orgulho iorubá 

Eu sou brasileira, beiradeira e força repentina 

Esquento o banho de cheiro pro couro da minha cantiga 

Minha garganta de seda 

É sedução desabrida 

Aprendida na fonte escondida de Oxum. 

Eu sou curandeira, rezadeira e tenho a voz caluda 

Unguento e encanto que ponho no corpo mamulengo cura 

A lama que me ilumina 

Na hora da reza clara 

É a calma colhida no colo de Nanã 

Minha voz alameda do samba no pé 

É candonga que afaga, é luz negra, é mulher 

Trago em meu patuá 

Talismã de Guiné 

Que garante meu canto em qualquer canto que eu for cantar!

 

 

 

4 - ALEGRIA DE CARNAVAL – Everton Marco

 

Ah! Você me chamou pra brincar o carnaval

E até me pediu para avisar o pessoal

Poderia ser só nós dois

Ah! Sei que você tem o dom de iludir

Mas estou firme e forte, não vou desistir

Talvez me ferir, mas firme no amor

Ah! Eu vou

Vou mergulhar fundo nessa folia

E jogar de vez um balde de água fria na tristeza

Que a alegria está na rua

 

 

 

5 - DESATADORA DOS NÓS – Jonathan Silva

 

Se terreiro é de Deus 

Eu sou cavaleiro do nó desatado 

Quem manda na roda é tambor 

Aprendi a escutar seu chamado

Ô saudade do cachimbo da minha vó 

Meu avô me ensinou a pescar 

Minha mãe me ensinou a gostar de jiló

Se terreiro é de Deus 

Eu sou cavaleiro do nó desatado 

Quem manda na roda é tambor 

Aprendi a escutar seu chamado 

Quando você for embora 

Vou chorar uma semana inteira 

Depois pra amenizar a dor 

Vou bater tambor, vou pra goiabeira 

Se terreiro é de Deus 

Eu sou cavaleiro do nó desatado 

Quem manda na roda é tambor 

Aprendi a escutar seu chamado

Quando você for embora 

Vou chorar uma semana inteira 

Depois vou sair de madrugada 

Vou cair na batucada 

E acabou-se a choradeira

Se terreiro é de Deus 

Eu sou cavaleiro do nó desatado 

Quem manda na roda é tambor 

Aprendi a escutar seu chamado 

 

 

 

6 - É DEMAIS – Iara Rennó/ Rubinho Jacobina

 

Não, já não posso mais

O que sinto no peito, meu deus

É demais

Dizem que coisa bonita

É sofrer sem reclamar

Mas quem é que abdica

De um carinho pra chorar

Um abraço, a mão amiga

Quando a vida não dá pé

Quem não ama é quem não chora

Quem não pede “por favor”

E por isso, nessa hora

Peço pelo seu amor

A saudade me devora

Mas não largo a minha fé

Se é sofrendo que se aprende

A fazer por merecer

Quem de fato compreende

Pode agora agradecer

E a tristeza vai embora

Na virada da maré

 

 

 

7 - MEMÓRIAS DE UM GUARDA-CHUVA - Socorro Lira

 

Uma parede velha, um quadro

Uma janela e um corredor de sempre

A mesma porta às vistas de um velho armador

Velando a flor, à dor do esquecimento

Não há estampa que, na mente,

Resista a tanta espera

De preto que era ficou cinzento

Também assim, também pudera

 

Mas vai embora a primavera

E a rubra rosa vai murchar

A próxima estação se encerra

Enquanto a outra quer chegar

Então, quando a chuva cair

Amolecendo o rubro rosto

Encharcando as lembranças

Aquele amigo posto de lado, no armador

Há muito ali deixado

Nas estações de um passado chuvoso

Nos dedos contado

Agora será lembrado

Não se esquece um grande amor

 

 

 

8 - SAMBA CALADO – Gaio de Lima

 

Deitada na cama, num sono profundo

Não sinto as pernas, não abro os olhos

Mas escuto tudo

E pra cada gota de soro que cai

Eu conto os segundos

E sinto que a chama da vida se esvai

Em poucos minutos

E lembro das coisas que pude fazer

Tentando esquecer as que pude e não fiz

E agora que a vida está por um triz

Difícil é deixar o meu filho sofrer

Se eu pudesse agora eu cantava um samba

Pra acabar de vez com toda essa tristeza

Arrancar um sorriso de ti

Pois um homem não deve chorar

Te ensinei que a vida é chegada e partida

É a última gota a cair, os segundos vão se esgotar

Sigo a luz mas te deixo esse samba calado

E quem sabe, algum dia, te tenho ao meu lado

Com coroa de rei e pandeiro de bamba

Sigo a luz mas te deixo esse último samba

 

 

 

9 - NÃO ME FALE NADA – Silvio de Carvalho

 

Não me fale nada

Porque nada que você me falar

Vai romper o medo

Estou por um dedo

Olhe minha cara

Tô de cara com o que faz esse olhar

E o seu apego

Desassossego

De passo a passo eu vou me acostumando

Sem dor nem lácio ardor me inflamando

Me sara e aquela dor vai se acabando

O novo não assusta tanto

Melhor que me parta

Mas não parta se não for pra voltar

Me acorde mais cedo

Com o pecado nos dedos

Esqueça de contar as horas que passam

Melhor aproveitar as horas que sobram

De passo a passo eu vou me acostumando

Sem dor nem lácio ardor me inflamando

Me sara e aquela dor vai se acabando

O novo não é tão estranho

 

 

10 - NÃO PRECISA – Luciano Salvador Bahia

 

Não se preocupe, eu sei me virar 

Alguma insegurança, mas isso em mim já é de se esperar 

O vento continua sacudindo o meu cabelo 

Sem ligar pra essa minha grande dor de cotovelo 

Faça como o vento, se alguma noite me encontrar 

Sentado numa mesa de uma biboca que pensa que é bar 

Aperta o passo, siga em frente e vá soprar suas bobagens 

No ouvido de um novo otário que acreditou na suas viagens 

Querer saber de mim, não precisa 

Dizer que a vida é assim, não precisa 

Não chore uma gota, não se abale, não se desculpe 

Que eu já conheço o seu truque 

Seu batuque sempre igual 

Sentir pena de mim, não precisa 

Gastar o seu latim, não precisa 

Guarde seu beijo, seu abraço, sua estima 

Que eu sei de cor um velho samba 

Que me ensinou a dar a volta por cima 

 

 

 

11 - SÂNDALO – Eduardo Franco/ Sonya Prazeres

 

Eu gosto de escândalo

E do teu cheiro de sândalo

Da tua boca molhada

Da tua cara pintada

 

Eu gosto de ti avoado

Pedinte, rascante, irado

Meu titã, meu Pokémon

Mon cœur, mon pote, mon plaisir

Somos Zênite e Nadir

 

Eu gosto de ser abusada

Pela tua mão ousada

Eu gosto da nossa dança

Na noite que não se cansa

 

Eu gosto de ser convidada

Gosto do escuro que nos apaga

Quando você volta a fita

Eu gosto que a calma me leve

Quando caminho a teu lado

Eu gosto de acertar o passo

Com a tua alma